Notícias Cuiabá

Como determinar se é seguro viajar para algum lugar

Como determinar se é seguro viajar para algum lugar

Nos últimos três anos, visitei a Palestina, Cuba e México (cinco vezes), e atualmente moro em Medellín, na Colômbia. Cada vez que dizia a amigos e familiares que ia visitar esses países, ouvia as mesmas perguntas: é seguro para viajar? Você não está com medo? Aconteceu (insira alguma recente manchete jornalística aqui)?

+ Os 20 destinos de férias mais seguros do mundo
+ O que você precisa saber antes de viajar sozinho

Muitos de nós provavelmente já sabem, pelo menos logicamente, que somos muito mais propensos a se machucar atravessando a rua em nossas cidades do que virarmos manchetes internacionais como vítimas turísticas de algum crime hediondo ou desastre. No entanto, isso pode ser difícil de lembrar quando estamos planejando viagens, lendo as notícias e ouvindo a preocupação nas vozes dos entes queridos. Na pendência para onde pretendemos ir, às vezes há riscos reais a serem considerados, desde desastres sazonais como furacões a revoltas políticas e protestos violentos. Mas como sabemos quando as notícias são sensacionalistas e quando é um aviso que deve ser atendido? Essa é uma pergunta difícil de responder. Por isso, pedi a Phil Sylvester, diretor de comunicações da empresa de seguros de viagens de aventura World Nomads, algumas orientações para determinar se um lugar é ou não seguro para viajar.

Mapa geográfico x índice de criminalidade

Quando cinco pessoas foram mortas e outras cinco ficaram feridas em um tiroteio noturno em Cancún, México, em fevereiro, Sylvester procurou os detalhes para determinar se os viajantes estavam em risco. A primeira coisa que ele fez foi encontrar o clube em um mapa. “Todas as manchetes eram: ‘Tiroteio em grupo no Holiday Hot Spot em Cancún’, mas na verdade elas estavam a cinco ou cinco quilômetros de distância dos hotéis, em uma área complicada do centro da cidade onde os turistas não têm motivos para ir”, disse Sylvester. Muitas vezes, associamos esses incidentes ao destino como um todo, quando esse tipo de lógica não faz sentido. Para manter as coisas em perspectiva: o mesmo poderia ser dito para muitos lugares nos EUA que apresentam índices de criminalidade comparáveis, mas esses relatórios raramente impedem os turistas de visitar outras partes do país. Observe um mapa para determinar para onde você está indo em relação a qualquer perigo relatado recentemente e seu escopo geográfico.

Pergunte a um local

Sylvester também sugere verificar com um local para obter informações. Digamos que você esteja planejando visitar a Indonésia e um tufão passe por lá algumas semanas antes do seu voo. Os títulos podem parecer que tudo foi destruído, cancelado ou temporariamente fechado para os negócios. Isso não significa necessariamente que você não deve ir. Primeiro ligue para o hotel onde planeja ficar ou entre em contato com o seu anfitrião do Airbnb e peça detalhes sobre a situação. Melhor ainda, encontre alguém não afiliado a uma empresa – um jornalista, um artista ou amigo de um amigo que mora lá, que possa esclarecer como são as circunstâncias.

Fiz exatamente isso há dois anos, depois que um terremoto atingiu a Cidade do México apenas algumas semanas antes da minha viagem planejada para lá. Artigos em jornais americanos faziam parecer que o bairro de La Roma, onde eu estava programado para ficar, havia sido destruído. Mas entrei em contato com meu anfitrião do Airbnb, que me garantiu que o prédio dela estava seguro e sem danos e que as lojas locais estavam abertas. Eu me apaixonei pela Cidade do México nessa viagem e, desde então, voltei mais três vezes. Em casos como esses, o dinheiro do turismo pode ajudar as comunidades a se reconstruírem após desastres naturais.

Verifique os avisos do Departamento de Estado

As diretrizes do Departamento de Estado também são um recurso importante para determinar quais são os riscos em visitar um país em particular, mas esteja ciente de que essas designações tendem a errar por precaução e generalizações. Vamos usar o México como exemplo novamente. Na mesma viagem que fiz após o terremoto, também visitei o Lago Pátzcuaro, 364 quilômetros a oeste da Cidade do México, e muitas das pequenas cidades ao longo de suas margens para Día de Muertos, ou Dia dos Mortos. A cidade de Pátzcuaro é frequentemente elogiada como um dos lugares mais bonitos para participar do evento, devido às celebrações autênticas que acontecem nos cemitérios tradicionais das cidades ao redor do lago. Tive uma experiência tão boa que voltei novamente no ano passado. Mais tarde, porém, descobri que o estado em que Pátzcuaro está localizado, Michoacán, tem um nível quatro de periculosidade do Departamento de Estado dos EUA. Embora eu não tenha visto evidências de crimes violentos enquanto estava lá, esses conselhos específicos devem ser levados a sério. Quando os funcionários do governo dos EUA são proibidos de viajar para algum lugar, sua capacidade de ajudá-lo em caso de emergência de qualquer tipo pode ser extremamente limitada.

Analise dados em sua pesquisa

Antes de começar a me concentrar em escrever sobre viagens e aventuras ao ar livre, passei alguns anos como repórter de jornal, incluindo uma passagem pela editoria de polícia no Gazette, em Colorado Springs, Colorado. Eu sempre soube o que estava acontecendo na cidade e comecei a entender que crimes violentos raramente são aleatórios. Geralmente acontece entre pessoas que já se conhecem.

Quando me mudei para Medellín, há algumas semanas, fiquei curiosa sobre que tipo de crimes ainda acontecem aqui, especialmente desde que ele finalmente perdeu seu título de capital mundial do assassinato. Encontrei um blog que analisava estatísticas de assassinatos nos últimos dez anos e as discriminava pela natureza dos crimes. Em 1990, a taxa de homicídios era de 375 por 100.000 pessoas; hoje são 25. Isso ainda é muito, mas não significa inerentemente que os turistas estejam em perigo. Entre 2007 e 2017, 37 estrangeiros foram mortos em Medellín, 12 deles da América do Norte. Desses 12, parece que mais da metade revidou durante um assalto ou se envolveu em tráfico de drogas ou crimes sexuais. Não é aleatório.

Se você for, seja esperto

Contanto que você se comporte como faria normalmente em seu próprio país – como evitar locais sem movimento após o anoitecer, manter o juízo sobre você, aderir às leis locais e evitar carregar maços de dinheiro ou viajar para zonas de guerra reais ou áreas claramente problemáticas – de um modo geral, suas chances de estar em perigo são notavelmente baixas. “Nos comportamos de certa maneira em nossas cidades e cidades natal para garantir que não nos metamos em problemas”, disse Sylvester. “Não que Sydney [onde ele mora] seja uma cidade particularmente violenta, mas há certos lugares que eu não iria à noite. Então, por que eu faria isso em uma cidade estrangeira?”. É claro que decidir viajar para qualquer lugar deve ser uma decisão bem informada. Não é mais suficiente confiar em uma única fonte de informação, portanto, tome as medidas apropriadas para determinar qual é a realidade antes de cancelar um voo ou abandonar o destino dos sonhos. “É realmente difícil [para um país] ter uma má reputação e ainda mais difícil perdê-la”, disse Sylvester.

O post Como determinar se é seguro viajar para algum lugar aparece primeiro no Go Outside.

administrator

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − quatro =

Noticias Cuiabá Resultados da pesquisa por “” | Noticias Cuiabá | Politica Cuiabá Noticias Cuiaba | So midia Noticias Como determinar se é seguro viajar para algum lugar