Notícias Cuiabá

Justiça quebra sigilo bancário de Ricardo Salles suspeito de enriquecimento ilícito

Justiça quebra sigilo bancário de Ricardo Salles suspeito de enriquecimento ilícito

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

por Ana Carolina Amaral | Folhapress

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), através da 10ª Câmara de Direito Público, determinou na segunda-feira (18) a quebra dos sigilos fiscal e bancário do atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Novo).

O pedido veio do Ministério Público, que o investiga por um possível enriquecimento ilícito no período em que Salles trabalhou no governo Alckmin (PSDB), em São Paulo, onde ocupou a secretaria particular do governador (2013-2014) e também o cargo de secretário estadual de meio ambiente (2016-2017).

Neste período, o patrimônio do atual ministro teve crescimento superior a 600% – foi de 1,4 milhão, em 2012, para R$ 8,8 milhões em 2018, segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

À reportagem, Salles disse não ter receio sobre a análise de dados, já que as declarações de bens foram feitas por ele mesmo, quando se candidatou a vereador, em 2012, e a deputado federal, em 2018.

Em janeiro, ele havia afirmado ao jornal Folha de S.Paulo que seu patrimônio evoluiu por conta de um investimento bem feito. “Comprei este apartamento [um duplex] por R$ 2 milhões, reformei e dividi em dois. Hoje eles valem R$ 6 milhões”, disse na época.

A quebra de sigilo foi inicialmente publicada pelo jornal Estado de S. Paulo e confirmada pela reportagem. O processo corre em segredo de Justiça.

Salles já foi condenado em 1ª instância na Justiça por improbidade administrativa relativa ao período em que comandou a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de São Paulo.

Desde que assumiu o Ministério do Meio Ambiente, Salles também passou a colecionar processos movidos por entidades ambientalistas e servidores, junto ao Ministério Público e à Procuradoria-Geral da República, por inação em casos como a fiscalização das queimadas na Amazônia, difamação dos seus funcionários e até mesmo de ONGs como o Greenpeace –que, no fim de outubro, entrou com queixa-crime no STF após Salles ter insinuado pelo Twitter que a organização estaria por trás do vazamento de óleo no Nordeste.

administrator

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + oito =

Noticias Cuiabá Resultados da pesquisa por “” | Noticias Cuiabá | Politica Cuiabá Noticias Cuiaba | So midia Noticias Justiça quebra sigilo bancário de Ricardo Salles suspeito de enriquecimento ilícito | Notícias Cuiabá